- Publicidade -
Home Notícias e Tendências Oncologia COVID-19 e os fatores que influenciam os resultados clínicos em pacientes com...

COVID-19 e os fatores que influenciam os resultados clínicos em pacientes com câncer

- Publicidade -

Estudo publicado recentemente no The Lancet buscou compreender o curso da COVID-19 e dos fatores que influenciam os resultados clínicos em pacientes com câncer

Os autores Kuderer et al. utilizaram dados do COVID-19 and Cancer Consortium (CCC19). Este estudo de coorte mostrou que a relação do risco aumentado de mortalidade por todas as causas em pacientes com câncer e infecção por COVID-19 está associada à idade, sexo masculino, número de comorbidades câncer ativo, mas não a fatores como o tipo de câncer, terapia antineoplásica recente ou cirurgia recente.

O CCC19 foi elaborado em 15 de março de 2020 para estudar as características e o curso da doença entre pacientes com COVID-19 e um diagnóstico atual ou anterior de câncer. O registro é um banco de dados eletrônico do REDCap, mantido pelo Vanderbilt University Medical Center. As instituições participantes estão restritas aos Estados Unidos e Canadá. É permitida a participação de profissionais anônimos de assistência médica da Argentina, Canadá, União Europeia, Reino Unido e Estados Unidos.

O estudo utilizou dados de 928 pacientes com malignidade ativa ou pregressa, que tinham 18 anos ou mais, com infecção por COVID-19 confirmada em laboratório nos Estados Unidos, Canadá e Espanha, com informações inseridas no banco de dados entre 17 de março e 16 de abril de 2020 e dados de acompanhamento até 7 de maio de 2020 (data da análise).

O desfecho primário foi a mortalidade por todas as causas dentro de 30 dias após o diagnóstico de COVID-19. Nas análises multivariadas, odds ratio (ORs) para idade, sexo, tabagismo e obesidade foram ajustados para os outros fatores. Outras covariáveis foram ajustadas para idade, sexo, tabagismo e obesidade.

Entre os 928 pacientes, a idade média foi de 66 anos (com 30% apresentando 75 anos ou mais) e 468 (50%) eram do sexo masculino. As neoplasias mais comuns foram câncer de mama (21%) e próstata (16%). No geral, 39% dos pacientes estavam em tratamento de câncer ativo e 43% tinham câncer mensurável. Um total de 811 pacientes (87%) eram dos Estados Unidos, 49 (5%) eram do Canadá e 68 (7%) da Espanha.

No geral, 60% dos pacientes não receberam tratamento anticâncer nas 4 semanas anteriores ao diagnóstico do COVID-19, 22% receberam terapia não citotóxica (incluindo terapia-alvo em 8%, terapia hormonal em 9%, imunoterapia em 4%, radioterapia em 1% e cirurgia relacionada ao câncer em < 1%) e 17% receberam terapia sistêmica citotóxica; 3% haviam realizado qualquer cirurgia dentro de 4 semanas após o diagnóstico.

No momento da análise, 121 pacientes (13%) morreram. Na análise multivariada, os fatores associados independentemente ao aumento do risco de mortalidade em 30 dias foram:

· Idade aumentada (por 10 anos; OR = 1,84, IC 95% = 1,53-2,21);

· Sexo masculino (OR = 1,63, IC 95% = 1,07-2,48);

· Ex-tabagista ou nunca fumante (OR = 1,60, IC 95% = 1,03-2,47);

· Duas ou mais vs zero comorbidades (OR para 2 vs 0 = 4,50, IC 95% = 1,33–15,28);

· ECOG ≥ 2 (OR para 2 vs 0 = 3,89, IC 95% = 2,11-7,18);

· Câncer ativo (comparado com remissão/sem evidência de doença: OR para doença atualmente estável ou respondendo ao tratamento = 1,79, IC 95% = 1,09–2,95; OR para doença atualmente em progressão = 5,20, IC 95% = 2,77–9,77);

· Residência na região nordeste dos EUA (categoria de referência) vs Canadá (OR = 0,24, IC 95% = 0,07–0,84); ou região centro-oeste dos EUA (OR = 0,50, IC 95% = 0,28–0,90).

A utilização de azitromicina mais hidroxicloroquina versus nenhum dos dois também foi associada a um risco aumentado (OR = 2,93, IC 95% = 1,79–4,79). No entanto, o achado pode ser confundido pelo uso da combinação principalmente em pacientes com COVID-19 mais grave.

Não foram observadas associações significativas de etnia, obesidade, tipo de câncer (malignidade hematológica versus tumores sólidos), tipo de terapia anticâncer versus nenhuma terapia nas 4 semanas anteriores ao diagnóstico do COVID-19 ou cirurgia versus nenhuma cirurgia dentro de 4 semanas de diagnóstico.

Comparado a nenhuma administração de tratamento nas 4 semanas anteriores ao diagnóstico de COVID-19, odds ratio para o tratamento nas 4 semanas anteriores foram de 1,04 (IC 95% = 0,62-1,76) para terapia não citotóxica, 1,47 (IC 95% = 0,84-2,56) para terapia sistêmica citotóxica e 1,52 (IC 95% = 0,58–3,96) para qualquer cirurgia.

Os pesquisadores concluíram que entre os pacientes com câncer e COVID-19, a mortalidade por todas as causas em 30 dias foi alta e associada a fatores gerais de risco e fatores de risco exclusivos aos pacientes com câncer.

Referências:

Kuderer NM, Choueiri TK, Shah DP, Shyr Y, Rubinstein SM, Rivera DR, Shete S, Hsu CY, Desai A, de Lima Lopes Jr G, Grivas P. Clinical impact of COVID-19 on patients with cancer (CCC19): a cohort study. The Lancet. 2020; 395(10241): 1907–1918

- Publicidade -
- Publicidade -

Fique Conectado!

16,985FansLike
2,458FollowersFollow
61,453SubscribersSubscribe

Mais Lidas

Radioterapia moderadamente hipofracionada no câncer de mama inicial ou in situ é recomendada como novo padrão de terapia

O interesse na radioterapia hipofracionada tem se renovado com o passar dos anos O estudo DBCG HYPO (NCT00909818) foi projetado para avaliar e testar estatisticamente...
- Publicidade -

Pela primeira vez, a U.S. Preventive Services Task Force orienta o rastreamento para câncer colorretal aos 45 anos

O câncer colorretal é a terceira causa de morte por câncer nos Estados Unidos. Apesar das fortes evidências de que o rastreamento do câncer...

Incidência de câncer de próstata localizado nos Estados Unidos diminui, porém a de estágio avançado recrudesce, segundo relatório

Dados de incidência e sobrevida de câncer de próstata nos Estados Unidos foram atualizados recentemente pelo Morbidity and Mortality Weekly Report, do Centers for...

Biópsia líquida pode predizer desfechos com imunoterapia em 1ª linha, mas não em 2ª, no tratamento do melanoma metastático

Biópsia líquida e o ctDNA estão cada vez mais incorporados à clínica, auxiliado a entender diversos aspectos dos tratamentos contra diversas malignidades Embora contabilize apenas...

Notícias Relacionadas

Radioterapia moderadamente hipofracionada no câncer de mama inicial ou in situ é recomendada como novo padrão de terapia

O interesse na radioterapia hipofracionada tem se renovado com o passar dos anos O estudo DBCG HYPO (NCT00909818) foi projetado para avaliar e testar estatisticamente...

Pela primeira vez, a U.S. Preventive Services Task Force orienta o rastreamento para câncer colorretal aos 45 anos

O câncer colorretal é a terceira causa de morte por câncer nos Estados Unidos. Apesar das fortes evidências de que o rastreamento do câncer...

Incidência de câncer de próstata localizado nos Estados Unidos diminui, porém a de estágio avançado recrudesce, segundo relatório

Dados de incidência e sobrevida de câncer de próstata nos Estados Unidos foram atualizados recentemente pelo Morbidity and Mortality Weekly Report, do Centers for...

Biópsia líquida pode predizer desfechos com imunoterapia em 1ª linha, mas não em 2ª, no tratamento do melanoma metastático

Biópsia líquida e o ctDNA estão cada vez mais incorporados à clínica, auxiliado a entender diversos aspectos dos tratamentos contra diversas malignidades Embora contabilize apenas...

Adição de irinotecano neoadjuvante aumenta a taxa de resposta patológica em adenocarcinoma de reto localmente avançado

Vários estudos de escalonamento de dose descobriram que a máxima dose tolerada do irinotecano diminuiu com um número crescente de alelos UGT1A1 defeituosos, confirmando...

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site usa cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.